Corona Vírus, Platão e Liberdade

537

O que o Corona Vírus, uma doença que surgiu na China no fim de 2019, tem a ver com Platão, um Grego de viveu há quase 2.500 anos atrás? O Mito da Caverna!

Se você não o conhece, dê uma olhada nesse vídeo, é rápido e ficará mais fácil entender o que vem a seguir.

Estamos presos, enclausurados em uma caverna que é o nosso medo. E o medo foi criado por essa doença que veio se espalhando pelo mundo e matando pessoas. Nossa única visão do mundo exterior são as imagens projetadas em nossas casas/cavernas pelos meios de comunicação em massa, que nos oferecem uma perspectiva reforçadora do nosso medo de sair e viver nossas vidas.

Os meios de comunicação em massa não estão inventando o que estão divulgando. Tudo aquilo existe mesmo, mas certamente está sendo filtrado e, provavelmente, em muitos casos, distorcido, aumentado, torcido de forma para só vermos uma parte da realidade. E essa parte assusta bastante!

Mas precisamos parar por um momento e nos perguntar: será isso mesmo, será só isso, não há mais nada? Um Deputado Estadual do Rio Grande do Sul (o Fábio Ostermann) me ensinou a colocar três questões muito interessantes em certas situações: “Quem sai ganhando, quem sai perdendo, e quem paga a conta?

O que sei, por enquanto, é que se continuarmos TODOS em nossas cavernas do medo por muito mais tempo, logo não teremos mais uma sociedade da maneira como conhecíamos até pouco tempo atrás. O padeiro não fará o pão porque a farinha não chegou, porque o distribuidor não a recebeu, porque o transportador não entregou, porque o moinho não tinha o trigo para moer, porque o produtor não colheu, porque não tinha o fertilizante para plantar… E o fertilizante não chegou porque vinha da China.

Enquanto isso, não foram apenas sistemas de saúde no mundo que colapsaram. Colapsaram as bolsas de valores, empresas grandes e pequenas (das companhias aéreas ao vendedor de salgadinho na porta de uma construção civil), e se não reagirmos logo, vão colapsar economias inteiras no mundo.

Mas percebem que a China parou por muito pouco tempo e já retomou suas indústrias a todo vapor? E voltou rapidamente a fabricar insumos e produtos manufaturados enquanto o mundo continua parado? Então, quem vai ser o grande fornecedor de tudo daqui pra frente?

Existe um outro aspecto: quem está tomando o comando do curso de todas as nossas vidas enquanto tudo isso acontece? Os governos estão! Ao decretar tudo o que podemos e não podemos fazer, onde podemos ou não ir, ao nos prometerem a salvação física (da doença) e financeira. Esta última através de um remédio amargo, a injeção de uma quantidade nunca vista de dinheiro na economia, criada “do nada”.

Há duas questões necessárias que muitos não estão enxergando: de onde saiu inicialmente esse dinheiro? Quem decidirá para onde ele vai?

Esse dinheiro, saiu originalmente do meu bolso e do seu. Nós, os reais motores da economia, que geramos riqueza e pagamos impostos, o meio de financiar os governos. E os governos são quem vão escolher para onde vai o dinheiro, com critérios que, convenhamos, conhecendo os políticos como conhecemos já há bastante tempo, sabemos que não são nem de longe os melhores. Então, lembre-se das três perguntas do Fábio Ostermann.

Como sabemos há algum tempo, existe um grupo muito específico e bem conhecido de pessoas que são mais suscetíveis a sofrer consequências graves da infecção pelo COVID-19. E eu sei que não estou nesse grupo. Então hoje, vou tomar coragem e sair da caverna. Vou ver o mundo lá fora com meus próprios olhos e convido a todos que não fazem parte do grupo de risco a fazerem o mesmo. Pois já disseram que “a vida precisa é de coragem” (desconheço o autor).

Vou retomar minha vida e minha rotina. Cortar o cabelo, fazer a barba (o barbeiro precisa faturar), vou consumir, vou trabalhar, vou produzir, porque o meu mundo, o nosso mundo, não pode parar. Isso se chama “lockdown vertical“. Pesquise sobre e estou certo que irá se surpreender.

Finalizo citando Fernando Pessoa: “Navegar é preciso. Viver, não é preciso” (entendedores entenderão)…

Ps.: Uma curiosidade: Sócrates, de quem Platão foi discípulo, foi morto pelo Estado sob a acusação de “perverter” a juventude por meio de suas aulas e discursos nas praças, em que colocava as pessoas para questionar tudo à sua volta.

SimSite Agência Digital

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here