Moro x Bolsonaro: o problema é muito mais embaixo

1998

O problema não é Sérgio Moro, nem Jair Bolsonaro. O câncer no Brasil se chama sistema politico. Sistema esse que se manterá sendo nutrido pelo tamanho do estado brasileiro.

Não adianta ser paladino da moral e da ética. Exemplos temos muitos em Mato Grosso. Juízes ou procuradores da República que julgam ou aplicam aos termos da lei, que deveriam ser incorruptíveis ou ilibados, ao entrarem pra política são atropelados.

No Brasil essa ladainha de acabar com corrupção elegendo “mitos”, “paladinos”, “mártires”, “ilibados”, entre outros adjetivos pra tentar se criar heróis do povo nunca dará certo, pelo simples fato de que é muito dinheiro (impostos pagos) nas mãos de políticos.

Some-se o poder dado a esses indivíduos, como cargos em estatais, institutos, agências de regulação e bancos. Isso sem falar os inúmeros ministérios e secretarias com estratosféricos setores pelos quais eles guerreiam para conseguir.

Esses órgãos públicos – que nada mais são que poder de mando sobre a população – além de atrapalhar o desenvolvimento com geração de produtos e serviços, criam condições de corrupção. É a velha ideia do “criar dificuldade para vender facilidade”.

Por isso, o problema não é Moro nem Bolsonaro. Enquanto não debatermos sobre como diminuir esse sistema, pode colocar qualquer um lá que as moedas de troca sempre existirão. O poder de incontáveis cargos públicos, os privilégios e as vendas de barreiras à livre concorrência (agências regulamentadoras; benção e autorização do estado pra se fazer qualquer coisa) vão continuar.

Ainda continuo apoiando as reformas liberais prometidas pelo Bolsonaro, com Guedes à frente, mas infelizmente ele depende do sistema ainda. Portanto, enquanto houver esse sistema político, o toma-lá-da-cá vai existir. Moro deveria ter deixado a “juizite” e percebido isso quando resolveu entrar na política.

O sistema brasileiro baseado em um estado inchado perpetua o problema. Esqueça que paladinos podem dar jeito nisso. O caminho é acabar com esse poder diminuindo o estado. Por isso apoie partidos que têm como ideologia acabar com esse sistema, tirando esse poder.

Esqueça pessoas. A questão é ideologicamente liberal. Iniciando pelo fim do fundão eleitoral e partidário, diminuindo privilégios, acabando com cargos políticos, extinguindo as agências burocratizadoras, privatizando estatais e devolvendo poder ao cidadão, que é o único gerador de riquezas.

Senão vamos continuar vendo mais e mais troca de favores, interferências, corrupção e tudo de mais nojento que só o sistema político brasileiro pode nos proporcionar.

Use Coworking

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here