O salário mínimo não ajuda o trabalhador, pelo contrário

152
salário mínimo

Alguma vez você já deve ter ouvido a respeito das leis econômicas de oferta e demanda que estabelecem o conceito de: quanto maior for a oferta de determinado produto menor será o preço deste produto e quanto maior for a demanda por este produto mais caro será esse produto. E porque estou citando a lei de oferta e demanda? Muito simples, essas leis econômicas se aplicam também ao salário mínimo.

Ao definir de forma impositiva um valor mínimo para o salário ocasionamos uma distorção negativa nas leis de oferta e demanda forçando o empregador a descartar a possibilidade de contratação de qualquer funcionário que não produza o equivalente ao salário mínimo.

Por exemplo, no caso de profissionais recém formados, sem experiência ou até mesmo bem jovens que estejam entrando no mercado de trabalho, os quais poderiam ser contratados por salários inferiores ao mínimo estabelecido pela máfia estatal até que possuíssem experiência e produtividade suficiente para receber salários superiores, serão excluídos do mercado do trabalho formal. Ou seja, na prática o salário mínimo tem como princípio a exclusão dos menos capacitados.

Cadê os esquerdistas defensores das minorias menos capacitadas nesse momento? Esses mesmos esquerdistas defendem ferrenhamente o salário mínimo. Engraçado, não? É hipocrisia que chama?

Quando contratamos determinado serviço analisamos o valor deste serviço e, se em nossa concepção o valor cobrado por esse serviço vale a troca por nosso dinheiro, simplesmente contratamos o serviço, caso contrário, buscamos outros que ofereçam o mesmo serviço por um preço inferior.

Mas imagine se você precisasse contratar um encanador e só pudesse contratá-lo por um valor determinado por um parasita que impôs uma regra aleatória tirada do nada, e esse valor fosse muito superior ao máximo que você deseja pagar e ao mínimo que esse encanador está disposto a receber. O que aconteceria? Você e o encanador teriam perdido uma oportunidade de realizar uma troca voluntária que geraria beneficio para ambos os lados. Você estaria contente com o serviço e o encanador estaria contente em receber seu dinheiro em troca. Talvez você pense: “Isso é muito ruim, o que o estado tem que se meter na nossa vida?”

E se neste caso citado o estado só vai fazer bobagem por que seria diferente com o salário mínimo? É tão ruim quanto o exemplo. Pouco importa as intenções dos parasitas ao rabiscarem a lei do salário mínimo. Na prática, causa o efeito contrário. Se um empregador quiser contratar um funcionário por R$ 500,00 mensais e esse mesmo funcionário queira receber esses mesmos R$ 500,00 não poderão firmar este contrato pois o salário mínimo é superior ao valor que ambos aceitaram pagar e receber respectivamente. Neste caso temos mais um desempregado devido a uma lei idiota.

Não é a toa que países como Suíça e Áustria possuem um nível de desemprego inferior ao Brasil, EUA e outros países. Nestes dois países europeus não existem leis que determinam um salário mínimo.

É uma pena que a maioria de nossos parasitas não entendem nem mesmo as leis econômicas mais básicas e continuam defendendo essa lei ineficiente e outras leis idiotas. Parece até que que eles pensam que estar em um cargo politico qualquer lhe dê poderes mágicos que geram riquezas enquanto escrevem essas porcarias.

O controle central e a engenharia social nunca funcionará. A sociedade funciona de forma espontânea pela soma das ações individuais e cada pessoa age, comercializa, investe e troca por razões subjetivas próprias. O melhor sempre será deixar que as relações voluntárias ocorram livremente sem interferência estatal. Em relação ao salário e em qualquer outra situação.

Afinal, por que o salário mínimo não pode ser de R$ 3.700 no Brasil?

4 fatos para você enxergar o salário mínimo com outros olhos

Salário mínimo: inimigo dos mais pobres e menos qualificados

2 COMENTÁRIOS

  1. Pelo muito que conheço dos brasileiros, talvez apenas nossos netos terão honestidade suficiente pra se igualarem aos dos países citados como exemplo, até lá iríamos abusar dos menos instruídos e dificilmente a melhora profissional seria reconhecido. Seríamos apenas iguais aos parasitas que foram citados na matéria, apenas iguais.

    • Não seja tão pessimista quanto aos brasileiros. No Brasil as ideias de liberdade crescem de forma exponencial de uma forma nunca vista. A questão nem é a relação entre os indivíduos e sim a intervenção estatal na relação trabalhador e empregador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here